Sábado, 31 de Março de 2018

CRÓNICA DO NOSSO TEMPO - O TORRICADO, UMA REFEIÇÃO DAS GENTES DA LEZIRIA

O TORRICADO  !....

 

Naquele ano de 1950, a chuva no Outono, como sempre já se começava a sentir nos últimos dias de Setembro. Tinham terminado as vindimas, e a ceifa do Arroz, nos canteiros do Paul de Magos, já era difícil para os ranchos, a água dava pela canela. Como chovia sem parar depressa todo o campo, ali para os lados da borda de água, sentia o efeito do transbordar do rio Tejo. Esta cheia, foi de pouca dura, mas uma outra lhe sucedeu, que durou várias semanas. A água vinda do Tejo, submergiu as terras e juntou-se à que vinha do campo, do lado da charneca – o valado da Vala real tinha rebentado, na zona da Ponte da Madeira. Depois daqueles constantes dias de chuva, os meses passaram e os terrenos começaram a enxugar, em Março foi tempo das reparações. Os agricultores, dos campos de Salvaterra, depressa tinham escolhido na vila - os afamados valadores, muito conceituados no Ribatejo, apoiados por ranchos de mulheres com as paviolas de terra. Os homens, usavam as pequenas pás de valar, e lá reparavam os vários rombos no curso do valado, até à ponte junto ao cais dos barcos. À hora do almoço, não deixavam de comer uma refeição ligeira, muito usada e apreciada pelas gentes rurais aqui desta zona da Lezíria ribatejana. - o Torricado.

1 Torricado.jpg

Uma mulher, acendia a fogueira, e depois já com brasido bem vivo – o homem cortava ao meio um pão de uma semana de cosedura, e feito uns pequenos quadrados no miolo com a navalha, usava uma vara de Loureiro/ ou Salgueiro - para suportar o peso da fatia do pão a uma distância apropriada (vergando um pouco), o pão sob vigilância aloirava, já bem torrado, era untado com toucinho cozido ( muitas vezes de vários dias), ou na sua falta usava-se azeite. O torricado, ainda bem quente – as fatias eram acompanhadas com chouriço de carne/ ou de sangue (cosido de refeições anteriores), em rodelas.

 

29750919_1536178559828021_1324043667_n.jpg

 

 

Ainda se usava uma posta - fina, de bacalhau cozido em dia anterior/ ou assada no mesmo lume brando. Esta refeição, era acompanhada de vinho/ ou água-pé, que corria pela garganta abaixo, com o garrafão ao ombro. Nos finais da década de 60, na pequena Boiça do meu pai, ainda o vi lembrar esta forma de comer – o Torricado. *José Gameiro

publicado por historiadesalvaterra às 16:35
link do post | comentar | favorito

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Março 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds