Segunda-feira, 12 de Fevereiro de 2018

CRÓNICA DO NOSSO TEMPO * O QUE RESTA DO PATRIMÓNIO - AS CHAMINÉS

   As primeiras referencias ao Paço de Salvaterra, vêm de 1383, tendo recebido novos acrescentos e foi aformoseado com Jardins quando o Infante D. Luís, era o senhor da vila. Quando da invasão das tropas francesas, o rei regente D. João VI e sua mãe a rainha D. Maria I, foi com a corte para o Brasil. Em 28 de Setembro de 1818, o Paço real já não vivia aquele esplendor que teve no reinado de D. José I - Um incêndio, o último que viria a completar os danos causados por um outro que tempos antes tinha dado início ao seu declínio, mas tudo acabou com o sismo de 1858, ficando apenas alguns paredões e as Chaminés da cozinhas para sua recordação. No reinado de D. Maria II, em 1863, as ruínas Paço Real, foram arrematadas em hasta pública. Com o decorrer dos anos o que foi ficando do desmantelamento daquela construção real, foi demolido à base de explosivos , quando a segunda dezena de anos do séc. XX, estava a decorrer. Ao longo do tempo os espaços limpos, mudavam de donos, enquanto a Capela conserva-se na Fazenda Pública, à guarda da Igreja local. O vasto terreno, que “albergou” o Paço Novo/ ou das Damas, estava na posse do Agricultor; Gaspar da Costa Ramalho, ali construiu, em 1909, uma grande Adega e Palheiros, usando pedra do que o Paço da Vila.

    Um outro espaço, foi comprado por António Jorge de Carvalho , que ali construiu uma grande Adega, ao lado no terreno que ainda conservava as três grandes chaminés das cozinhas, foi comprado através do tribunal de Coruche, pelo Ferreiro; Manuel Vieira Lopes, que ali instalou a sua oficina e em 1949, abriu uma taberna. Com a sua morte deste em 1944, e estando já aberta a EN 118-2, a taberna fechou portas, em 1949, pela viúva D. Irene e seus filhos. Destes, Joaquim Lopes, sendo o mais velho e tendo sentido de empreendedor , ficou à frente da família, e em 1950 iniciou a exploração de um moderno café e hospedaria, com portas abertas para o Largo dos Combatentes. As chaminés foram resguardadas para outros fins, o seu interior viria a servir para salas quando o café foi ampliado e deu lugar ao Restaurante Típico Ribatejano. O tempo passou, já na década de 80 a morte de Joaquim Lopes, levou ao encerrar portas do Restaurante – ficando apenas as instalações do Café. As chaminés que sempre tiveram o cuidado da esmerada conservação pela família Lopes, um dia estavam nas mãos, do novo herdeiro, António Joaquim Marques Lopes, e naquele dia 25 de Novembro de 2003, ao ser demolida toda a antiga Adega – construção paralela, à EN 118-2, para dar lugar a nova urbanização de habitações, os trabalhos de remoção dos entulhos e grandes depósitos construídos em cimento, colocou em perigo toda a existência das Chaminés.

   António Marques Lopes, colocou a Câmara municipal, através da Presidente do executivo; Ana Cristina Ribeiro, perante aquela situação, e verificando a sua inercia acionou uma queixa judicial, com conhecimento ao Estado, através do Ministério da Cultura, Direcção Geral de Monumentos, visto as Chaminés serem “Património Público” em Salvaterra de Magos, desde 1951. A autorização daquela obra, foi posta em causa, sem o necessário resguardo a segurança daquele monumento local, que já tem cerca de 400 anos, e ameaçava ruir - o seu proprietário, vedou o acesso a qualquer visita, o que antes sempre facultava !... Passaram já muitos anos, o pleito judicial, ainda não está resolvido, ma sabe-se quem estava a exercer o seu mandato autárquico em 2003 !,,,

*José Gameiro

Nota: Fotos do Autor Ver: informações histórica em Google: * O Paço Real de Salvaterra, * Jornal O MIRANTE | Chaminés reais ameaçam ruína, e

Colecção “Recordar, Também e Reconstruir” Caderno Nº 4 – Restaurante Típico Ribatejano - Autor

27545210_1628608697215059_6160496508985410320_n.jp

27544966_1628608390548423_5851752089623079264_n.jp

 

 

 

publicado por historiadesalvaterra às 11:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Março 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


blogs SAPO

.subscrever feeds