Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009

O CORRER DA CORDA !

 

Ainda menino de escola, fui com os meus pais viver para o Botaréu, junto à Capela da Misericórdia e, depressa o convívio com as gentes que, viviam do rio Tejo, se estabeleceu. Nos seus barcos e nas suas casas, comi das suas ementas, como também na rua e no cais da vala real, brinquei com os seus filhos.

Aquele convívio, foi para mim uma oportunidade de ouvir aos Fragateiros e Varinos/ Cagaréus, histórias das suas comunidades.

 

Há muitos séculos, que o rio Tejo as conhecem, os pescadores Cagaréus, desceram lá muito de cima, do norte e em Lisboa, até existe junto à ribeira, um dos seus bairros - A Mouraria, que estava povoado desta gente quando do terramoto de 1577.

 

Aqueles que vieram viver para Salvaterra de Magos, eram dos mesmos sítios; Aveiro. Ovar, Estarreja e  Murtosa. Há muitas gerações que andavam rio abaixo, rio acima, na faina do peixe,  especialmente no inverno, para depois o enviarem, em cestos de verga, para muitos lados, inclusivé o Porto. 

Primeiramente era em carros puxados a animais, até que o advento do caminho-de-ferro, em Portugal, lhes facilitou mais a vida, através da estação de Muge.

 

Antes deles, já os Fragateiros eram "donos" do cais da vala, pois movimentavam nas suas Faluas e Fragatas, embarcações à vela, as mercadorias, com destino a Lisboa, e outros portos, rio acima, quando este era então navegável, lá para os lados de Abrantes.

 

Quanto aos Avieiros, uma outra comunidade, de pescadores vindos de Vieira de Leiria, cujos registos no Tejo, se notou mais tarde e, o Escaroupim, foi um sítio de aporto, como muitos outros ao longo do rio.

O Pinhal do Escaroupim, existe do tempo de D. Dinis, o comércio e a indústria, especialmente a naval, requeriam muita madeira e, Lisboa ficava a meia centena de km de Salvaterra e, com o curso das marés do rio Tejo, faziam deslizar nas águas grandes quantidades de toros.

 

A história da vala real de Salvaterra de Magos, encontra-se registada em muita documentação. Iniciou-se como Sangria, pois foi aberta, por causa das águas que se acumulavam em terrenos pantanosos nos baixios de Magos e, das nascentes da bacia da Ameixoeira, um pouco mais acima, corriam para Juzante até se juntarem ao Tejo  na Boca da Goiva.  As marés do rio, traziam e levavam peixes, como o barbo e fataça que, eram abundantes nas águas da vala, ainda no dobrar do século passado.

 

As histórias vivas, deste pequeno curso de água, que passa no sítio da ponte da madeira,  são aquelas guardadas na memória por quem lá trabalhou, ou por quem com eles conviveu.

Muitas e variadas "historietas" são aventadas todos os dias,  mesmo para a sua ponte de pedra, por quem visita por uns momentos aquele local, tudo sabem ou imaginam, sobre o seu passado mesmo recente.   É de ouvi-los !!!!

Vivi a escassos metros do barracão onde via o mestre calafate, António Joaquim  Henrique Miranda, conhecido pelo "Perguiça", construía as bateiras.   Uma história dele se contava, um dia, construíu uma tão grande, quando pronta não saíu à porta, porque bebia bem, dizia-se: Talvez visse duas pequenas !

 

Eu, que corri corda, e vi fazê-la, tenho dificuldade em informar que isso aconteceu!

 

* Um casal, de Benavente, com dois filhos ainda pequenos, vinha algumas vezes durante o ano, até junto dos fragateiros venderem corda nova para ser usada, nos barcos.  

Depois do negócio feito, para a quantidade de metros necessários, era iniciada a sua "feitura".  Umas peças de madeira com pequenos ferros, eram colocadas junto ao muro grande, vedação da  propriedade do conde, ao pé do celeiro, desde a estrada até à borda da vala, onde agora existem umas construções em madeira, com espaços calculados para suportarem o peso.

 

A mulher, passava o dia, movimentando uma manivela de ferro, fazendo girar uns carretos (sentido dos ponteiros de relógio), o homem e os filhos, iam metendo, o cordel de sisal, de muitos novelos. Depois de bem enrolados, davam azo a muitos metros de um novo cabo, alguns muito grossos, ao fim  de alguns dias de trabalho. 

 De seguida, o velho Cadório, antigo pescador, "arregimentava" um grupo de rapazes (onde eu, me incluía), para passar a corda, a troca de alguns tostões para os rabuçados que depois compravamos na taberna do Camilo.

 

Os vários metros (bem pesados), dos novos cabos eram cozidos, num panelão, ao lume durante várias horas, com água de tinta de carrasca de pinho, feita previamente.

Depois da "cosedura", sempre ao cair da tarde (para passar a noite ao relento), os metros do cabo, eram "corridos" pelos rapazes entrelaçados entre os muitos choupos pequenos, que existiam, no terreno de trás-de-monturos (no local onde agora se faz a feira anual e algumas festividades da terra) e, ali ficavam estendidos (apertados), até secarem. ......

 

*******

Nota: Extraído do Livro Nº 11 "Cagaréus,Fragateiros e Avieiros - Gente que veio do mar" da

Colecção Recordar, Também é Reconstruir! * Foto, ao fundo o muro em direcção ao cais da vala

* Ver a colecção Vídeos: Patrimonio Monumental cultural de Salvaterra de Magos

 

JOSE GAMEIRO

 

publicado por historiadesalvaterra às 18:44
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds