Quinta-feira, 2 de Agosto de 2012

Os 92 Anos da Praça de Toiros de Salvaterra de Magos

Em 1970, continuava eu, a escrever para o “Aurora do Ribatejo”, com sede em Benavente,. A quantidade de NOTICIAS publicados sobre Salvaterra de Magos, e o seu concelho, davam para encher uma página. Um dia, o diretor convidou-me para dirigir a página de fecho daquele semanário que pensava usar com o titulo Jornal de Salvaterra. Não me achando capaz de tal responsabilidade, convidei José António Teodoro Amaro, que de pronto aceitou, desde que eu não me afasta-se. Foi sol de pouca dura, uns meses depois tive de angariar um outro nome.

 

 

 

A escolha recaiu no Dr. José Asseiceira Cardador. Era pessoa, interessada nas actividades culturais da vila, sendo professor, tinha já sido vereador municipal e periodicamente escrevia para o jornal. Também tive azar, pois a colaboração não aparecia a tempo e horas. A página dedicada a Salvaterra, que tão importante era naquela altura, caiu de vez nos meus braços, enquanto durou. No tempo em que decorreu a direcção de José António Amaro (Tamaro), assinalava-se o 50 aniversário da inauguração da Praça de Toiros. Uns dias antes lá fomos nós, até ao Grémio da Lavoura, onde trabalhava,

 

José Luís das Neves, único membro ainda vivo, da Comissão, que construiu a Praça de Toiros, que nos concedeu uma entrevista para aquele semanário “Aurora do Ribatejo”. Agora, porque estamos novamente em tempo festivo, assinala-se no dia 1 de Agosto de 2012, 98 anos, da data da inauguração do tauródromo, que passou a ser um ex-libris da vila de Salvaterra de Magos. O tempo urge, porque não sei se acompanhe os festejos do seu centenário, aqui transcrevo a referida entrevista que José das Neves nos concedeu - a Tamaro e a mim. “1 de Agosto de 1920 – Um grupo de salvaterrenses viu transformado em realidade um sonho de 2 anos; uma Praça de Toiros! Justo é, na comemoração da efeméride, que o jornal de Salvaterra dê aos seus leitores alguns dados históricos da obra. Para isso, contactamos o único membro da Comissão Construtora, felizmente ainda entre nós e de boa saúde, o senhor JOSÉ LUIS DAS NEVES. Fomos encontra-lo à sua mesa de trabalho numa sala do rés-do-chão, do Grémio da Lavoura, e entre guias de entrega de sementes, dispôs-se amavelmente a transmitir as suas recordações. “ A ideia da construção da Praça surgiu no meu estabelecimento de mercearia e vinhos, situado na Rua Direita, onde mais tarde existiu uma mercearia pertencente a Manuel Xavier da Silva”. – “Pensamos na sua construção por inveja da que havia em Benavente. Quando em 1918 depois de assistir à inauguração alguns aficionados se juntaram na minha loja e mostraram “ferro” por estarmos tão atrasados em relação aos vizinhos ali mesmo foi decidido que teríamos dentro tempo uma praça melhor que a deles”. O soco na mesa que frizou as últimas palavras, deu-nos a medida certa da vibração que ainda produz no nosso entrevistado a recordação a recordação da cena passada em 1918, num estabelecimento da Rua Direita. – “E olhe que realmente ficou melhor”, continuou o sr. José das Neves que não tivemos coragem para interromper, construída em alvenaria, enquanto a de Benavente era de adobes e desapareceu pelo tremor de terra, enquanto a nossa está ali que se vêr”.

 

 

– “O grande problema como deve calcular”, foi o arranjar dinheiro”. - “ Depois de se conseguir por intermédio do então Ministro do Comércio, Jorge Nunes, que a madeira necessária fossa oferecida pelo Estado e cortada no Escaropim, o dinheiro para o resto foi conseguido com ofertas: dois tostões deste, três tostões daquele, um cruzado do outro, foram as migalhas que juntas a ofertas maiores formaram74 contos de réis e picos que custou a nossa praça”. – Quais foram as maiores e menor oferta em dinheiro que conseguiram para a construção? Perguntamos. - “ Olhe, se não me falha a memória, a maior foi do sr. Porfírio Neves da Silva, que ofereceu um conto de réis, que na altura era uma quantia choruda e a menor… – “O sorriso do nosso entrevistado faz-nos antever uma revelação sensacional – “foi do sr.José de Menezes que ofereceu 500 mil réis para não pensarem mais nisso”. - Pessoa amiga fez-nos chegar às mães meia dúzia de fotografias que sopunha serem da inauguração da praça e pedimos ao sr. José das Neves que as identificasse: Eram realmente da corrida inaugural e com uma lágrima teimosa a querer fazer das suas, lá nos indicou o sr. Roberto Jacob da Fonseca, inteligente da corrida; os srs. Henrique Avelar da Costa Freire; Porfírio Neves da Silva, João Oliveira e Sousa; João Vasco, Silvio Moiro, Administrador; Manuel Doutor, corneteiro da corrida; Henrique José Martins, farmacêutico e animador do “Grupo do Ti Martins” que se dedicava a patuscadas. Fernando Luís das Neves, pai do entrevistado, enfim um nunca mais acabar de recordações.

 

– “Olhe, este aqui de chapéu sou eu”. José das Neves, mais à vontade e visivelmente emocionado abre por sua vez o seu armário de recordações e mostra-nos jornais da época, programas das corridas e como curiosidade uma folha de férias: - “Os pedreiros ganhavam entre 15 e 17 tostões e os serventes entre cruzado e oito tostões, e nessa semana 36 operários trabalhando 7 dias receberam 234.710 réis (dois dias de ordenado dum pedreiro de 1970). – “Um exemplar do jornal “A Elite” chama-nos a atenção por na página 2, numa lista de 11 nomes, 10 terem à sua frente uma cruz “É que todos esses já morreram, só eu ainda cá estou”, explica o nosso entrevistado, dizendo seremos componentes da Comissão Construtora da Praça. “ Neste aqui já não serei eu, a por a cruz, disse apontando para o nome.” Eram o Pedro Sousa Marques, Luiz Gonçalves da Luz, Augusto da Luz, Carlos Alberto Rebelo, Francisco Maria Gonçalves, Augusto da Silva, Manuel Lopes Gonçalves, Francisco Morais, António Henriques Alexandre, Augusto de Almeida, José Luiz das Neves, um grupo de 5 operários, 4 comerciantes, 1proprietário e 1 industrial de barbearia. -“ A Comissão organizadora das corridas eram composta por: António de Sousa Vinagre, Dr. Armando de Sousa Calado, Dr. Roberto Ferreira ad Fonseca, José Rebelo Andrade, Henrique Costa Freire. - Mostrando-nos o cartaz disse: Actuaram nesta 1ª corrida: Cavaleiros; José Casimiro e Adolfo Macebeiro Tomé, Vital Mendes Francisco Rocha, Mateus Falcão e Manuel dos Santos, da Golegã. – Forcados; comandados por Manuel Burrico. Os 10 touros foram generosamente oferecidos pela ganadaria Roberto & Roberto. - “Não, não entregamos logo a praça à Misericórdia”, afirma em resposta a nova pergunta. “ Durante um ano e tal organizamos toiradas e vacadas para arranjar dinheiro para pagar as dívidas que ainda havia”. – Nesse tempo era tão fácil organizar corridas como fumar um cigarro… Não havia tantos papeis e tantas coisas a tratar e quando pensávamos fazer, fazíamos”. - “ Além do mais, não queríamos que aparecessem no Hospital contas a pagar por despesas que nós fizemos. A praça foi entregue livre de todos os encargos”. - “Sabendo o que lhe custou na obra, se voltássemos a 1918, faria parte da Comissão Construtora da Praça?

 

 

Perguntamos pela última pergunta. “Apesar das muitas canseiras e do trabalho que tive, se voltasse atrás fazia exactamente o mesmo, juntava-me às mesmas pessoas e construíamos a Praça que está ao cimo da avenida. Não dou por mal empregado o tempo que me ocupou”. - O nosso entrevistado é interrompido e chamado à realidade pelo “interfone” (tubo com 2 bocais – um para ouvir outro para falar, metido na parede que liga a sala onde estamos com o 1º andar), perguntam-lhe assuntos de serviço, fazendo-o voltar a 1970. Já na mesa observa mais uma vez que lhe trouxemos. Abre a gaveta e pega numa lupa; “Este esteve muitos anos em Lisboa…. Estoutro foi para Muge… A mulher do Luiz Caleiro tem ainda a mesma cara….” Dizia em última análise, revivendo os 27 anos que tinha em 1920.

 

JOSÉ GAMEIRO

Nota:Fato histórico, descrito no Apontamento Nº 05 – Misericórdia de Salvaterra de Magos e no Nº 18 – Inaugurações e Homenagens da Colecção “Recordar, Também é Reconstruir” - Livro: Subsídios para a História da Tauromaquia em Salvaterra de Magos – publicado em PDF no Blogue: “www.historiadesalvaterra.blogs.sapo.pt” * Cópias dos Cartazes (1º e 2º dia) da inauguração encontram-se expostos na sala de reliquias taurinas, do Rest. João da Quinta - uma oferta do autor

publicado por historiadesalvaterra às 09:12
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds