Quarta-feira, 13 de Junho de 2012

Santo António, Casamenteiro / ou uma Crónica com 50 Anos!......

 

Hoje, é dia de Santo António!...

Se tivesse de escrever sobre ele um trabalho bem elaborado, socorria-me de alguma História associada aos Contos e Lendas que pairam sobre a vida do santo. Como o espaço aqui é pequeno, um curto Post, chegará para usar uma Crónica.

 

Vem dos tempos que se perdem na memória dos povos portugueses e italianos, o nome do jovem frade franciscano, que nascendo em Lisboa, por volta de 1195, percorreu terras da Europa, e em Pádua, na Itália morreu em 1231. A sua veneração é muito profunda naquela cidade italiana, repartida com a sua terra-mãe, Lisboa.  

António, foi o nome escolhido quando entrou na sua vida religiosa. Foi acolhido pelos  frades Franciscanos.  Depressa, passou a ser conhecido pela sua palavra erudita no campo da conciliação entre casais e famílias desavindas. Na preparação de jovens que ao pronunciarem uma união de casamento, com a bênção dos mandamentos da Igreja, nele tinham aconchego religioso. No século XX, em 1934, foi canonizado Santo, pela Igreja Católica Romana, com registo do Papa… Em Junho, os portugueses passaram a dedicar o dia 13, dia de Santo António, festejos populares.  Portugal inteiro, não deixava de fazer arraiais, tal como a São João e São Pedro. A sardinha assada, sendo abundante na época, era assada nas fogueiras, que começavam na noite do dia 12, dando para o bailarico se prolongar até madrugada do dia 13. Nos bairros pitorescos de Lisboa, ainda conservam esta tradição.

 

 

 

Em 1957, o já extinto vespertino Diário Popular, organizou pela primeira vez um casamento onde reuniu vários noivos.  Com os meios televisivos existentes, foi uma atracção para o seu tempo de antena, que ainda dura nos dias que passam.

 Em Salvaterra de Magos, o tempo dos santos populares, (Santo António, São João e São Pedro), eram aproveitados para os bailaricos, nas ruas. As danças, atraíam os jovens pares, à volta da fogueira, e a miúdas vezes um salto sobre as labaredas das mesmas, faziam aguçar o espirito quente e fogoso da juventude.  Era ali, que muitas vezes se concretizava o pedido de namoro, ou a sua aceitação – tudo em surdina, pois as mães das jovens, em grupos,  cochichando “coisas” da vida da terra, estavam atentas.   As fogueiras, da Rua de Baixo, junto ao Bataréu, eram as mais concorridas, para isso contribuíam as irmãs da família Naia.

Nesse tempo, o namoro decorria entre as 9 e dez horas da noite, à janela, ou à entrada da porta, com esta meio-aberta (caso não existisse janela), e durava uma hora. O namoro era um compromisso solene, tinha inicio sempre com a permissão do pai da jovem, que antes da procura do pretendente, e conversa para receber anuência, a mãe da jovem preparava o marido, com uma pequena conversa, do que estava acontecendo à filha.  Dali em diante estava escolhida para um compromisso que levaria ao casamento. Muitos pedidos de namoro, depois dos jovens trocarem simpatia um pelo outro, através de constantes olhares meigos e amorosos, chegava através de carta.

 Nesta crónica, registo faz hoje 50 anos que minha esposa me aceitou namoro.  Foi em 1962, vivíamos em frente um do outro. Eu, trabalhava na rodoviária, a minha escolhida para futura esposa tinha habitação, onde agora está instalada a sede do Núcleo do Sporting.  No dia 11, recebeu uma carta por correio, com a minha declaração de amor, logo no dia 13 me entregou um bilhete postal, em mão, num acto discreto com a aceitação, mas pedindo que se fizesse segredo por uns meses, pois ainda não tinha autorização do pai, por não ter idade para tal compromisso. Tal namoro, concretizou-se em casamento 7 anos depois (contribuiu para esta contabilidade, 4 anos de serviço militar obrigatório – estava-se em guerra). Dessa união nasceram dois outros amores. Os filhos.

Aqui está uma pequena inconfidência pessoal, tornada crónica jornalística, de como um namoro, aceite no dia de Santo António, cheio de amor, ainda dura à meio século.

 Outros tempos!....

 

Nota:  Bilhete Postal – com declaração de aceitação de namoro de 1962

          Foto- Casamento do autor 1968

JOSÉ GAMEIRO

publicado por historiadesalvaterra às 11:37
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds