Sábado, 18 de Junho de 2011

BEBE, BEBE, LAURA...! QUE ÉS UM HOMEM AOS REMOS

Esta Crónica foi modificada em 17.08.2014 para a introdução de duas fotos de Helder Esménio.

Estava-se pelo dobrar do século XX, ali mesmo juntinho à boca da vala, no lado direito, existia uma propriedade da família Roquette, com uma grande plantação de vinha.
O rendeiro vitivinicultor, José Lino, todos os anos, dava trabalho a um rancho de mulheres. Uns metros acima, mesmo na entrada do Bico da Goiva, onde as águas do rio Tejo, e as da Vala Real se encontravam existia duas construções em madeira – eram as casas de dois casais de pescadores; Na família do Ti, Padinha do Vau, havia dois filhos, a Florinda e o João. A Ti Laura Soizeira, era a outra família, que também tinha dois filhos;. Um rapaz e uma rapariga, esta de nome Olinda. Muitos anos depois, a Florinda, casou com um pedreiro da vila, que veio a ser empreiteiro em Setúbal, e o irmão João Padinha, casou com a vizinha Olinda.

O rapaz, da Ti Laura, quando jovem adolescente, passou a ser um visitante assíduo das cadeias, tinha entrado numa quadrilha de assaltantes de galinhas e gado.
A vinha, tinha estado em repouso desde Setembro passado, época da última vindima. As cepas, precisavam agora de poda, para iniciarem um novo ciclo de vida. Aqueles dias de Inverno, eram iguais a tantos outros, nada mudara. Ainda a claridade, estava longe de dar sinais, já em muitas casas se ouvia os galos cantar, como se fossem um relógio. Nas ruas de Salvaterra, as mulheres gritavam, umas pelas outras. De porta em porta, como “ratazanas” em correria, lá iam aparecendo, o tempo bem visto andava aí pelas 5 horas da madrugada.


As mais jovens com os filhos, pela mão, ou ao colo, juntavam-se ao grupo na ponte da vala real. O frio e o nevoeiro continuavam havia alguns dias, não ajudando nada a caminhada a pé pelo valado, até à Boca da Vala. Minha mãe, tinha-me feito para usar nas mãos, uns adornos, de umas meias já muito usadas, onde cortara a parte da frente, para que os dedos ficassem livres. As outras crianças, usavam o mesmo agasalho, que nos assentava que nem umas luvas.
Quando o sol dava sinais de si, já todo o rancho estava a iniciar o trabalho, o capataz, conhecido pela alcunha do "Ramo em Pé" não era homem de esperas. A rapaziada, era sentada, em volta de uma fogueira feita com vides (pequenos ramos, das videiras, em época de poda). A “rainha” mandara atear, o lume que viria a servir pelas 10 horas, tempo em que uma mulher mais velhota, começava aquecer, no Cambariche, as pequenas panelas de esmalte azul, algumas já muito descoloridas,por tanta queimadura, com a comida para o almoço. A refeição durava uma hora,tomada em grande pressa, pois o tempo era escasso e tinham de cuidar também dos filhos. As companheiras, que não tinham ali os filhos davam uma preciosa ajuda. O almoço muitas vezes era uma saborosa sopa, feita um ou dois dias antes para a ceia)(1). Alguns homens, aproveitavam o lume e ali faziam o agora famoso "Torricado". Cortavam um pão de quilo já duro, ao meio,faziam com a navalha,pequenos quadrados,espetavam-no numa vara que verga-se (de salgueiro, ou de marmeleiro) e, a uma distância, que num lume brand o pão torrava até aloirar levemente. Este era depois, untado com toucinho cozido, azeite ou alguma sardinha assada. Era por vezes o almoço dos trabalhadores rurais.
A pequena Olinda, desde a nascença dificiente num pé, brincava mais com as raparigas. Os rapazes, à falta de outro entretém, escolhiam como alvo um pequeno aramado, que servia de capoeira, dos galináceos da Ti Laura. Um galo de grande porte, daqueles com cores; verde, azul e avermelhado, com uma crista bem vincada, que pedia meças a um pedaço de carne, pendurado debaixo do bico. O bichano, defendia com galhardia o seu espaço, dando grandes saltos, de peito em riste e, com as patas em sinal de ataque, mostrando as unhas, fazia-nos desertar para longe da contenda. As duas famílias, pescavam em pequenos barcos varinos(conhecidos por bateiras),nas águas do Tejo e, a venda do peixe era feito no cais da vala de Salvaterra de Magos. Ali estavam sempre dois guardas-fiscais, do Posto daquela polícia, sediado num edifício junto ao Fontanário do antigo Largo de S. Sebastião.
A Ti Laura, tinha de remar durante horas a fio, para colmatar todo aquele esforço, afogava-se nos no vinho, cuja garrafa tinha sempre à mão. Então ouvia do marido; Bebe… Bebe… Laura, que és um homem aos remos.
O povo rural, depressa passou a usar aquela forma doentia de incentivar um esforço de trabalho, especialmente por uma mulher. Muitas e muitas gerações já passaram, ainda aqui e ali se ouve em Salvaterra de Magos, esta “bizarria”. Bebe, Bebe, Laura…! És um homem aos remos.

(1) - Sendo uma refeição que se comia em toda a Leziria ribatejana, a sopa; era composta de feijão branco, ou vermelho, couve,batata,cenoura,uns pedaços de carne de porco e algumas rodelas de chouriço preto e outras do encarnado e às vezes uma farinheira * Nos tempos modernos é servida, na restauração como: Sopa da Pedra *


JOSÉ GAMEIRO
publicado por historiadesalvaterra às 10:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds