Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009

AS CORRIDAS DE TOIROS DE OUTROS TEMPOS !

 

Tudo muda, nada é como dantes!

A tauromaquia de há uns anos para cá, deixou de ter aquele encanto, mesmo para o aficionado. Para os outros era uma festa ver todo aquele aparato.  A  Feira anual, da vizinha vila de Benavente,  tinha lugar em Setembro,  na semana seguinte, era  a de Salvaterra.   Não era a feira franca, pois essa ocorria meses antes, em Maio.  Em 1950, já com os cartazes, na rua onde se  anunciava que vinham actuar na praça de toiros da vila, os mestres cavaleiros; João Branco Núncio e Simão da Veiga. 

 

 

 Os espadas, eram Manuel dos Santos e Diamantino Viseu.  Abrilhantava a corrida a banda de música "Bombeiros Voluntários de Salvaterra de Magos". Os toiros eram da ganadaria "Irmãos Roberto" e, os forcados eram do grupo do Manuel Faia, onde pegavam, o Timpanas e o Manuel Ferrador.   As "claques de aficionados"  que aqui existiam, tinham agora mais uma vez oportunidade de ver actuar os seus idolos.

  Ao longo do ano, dividiam-se em acérrima descussão. Um grupo; apoiava João Núncio, um outro Simão da Veiga. Quanto aos matadores de toiros;  Era de ouvir, qual o grupo de aficionados, que soprepunha o seu toureiro, em relação ao outro.

A discussão, começava muitas vezes, nas oficinas de sapateiro, e continuava na sede do Clube Desportivo. 

  Naquele domingo de Setembro, o aficionado visitante, perdia-se entre povo da terra.  O muro da Hota do Sopas, era pequeno para tanta gente empoleirada, vendo os cavaleiros, no "aquecimento" dos cavalos, no largo da frente da praça.  Lá dentro, nos espaços abertos (janelas) com gradeamento em ferro,  estavam apinhados de espectadores,  que se suprepunham uns aos outros, esperando a vinda dos toureiros, através da avenida. Éra um delirio, quando descortinados entre uma muitidão, que os tinham esperado na Pensão do Ribatejano. Era ali, nos seus quartos, que se vestinam de luces, e vinham a pé, tapados com uma ou outra peça de roupa, guardados pelo seu stafe.

A praça estava esgotada. No final, quando o matador, Manuel dos Santos, triunfou na corrida, saíu pelo portão grande, e foi levado em triunfo, aos ombros dos seus simpatizantes. 

  A avenida, a rua Marquês de Pombal, a Heróis de Chaves, ficavam apinhadas de tanta gente, levando o seu idolo, de volta  ao Ribatejano.

 

JOSÉ GAMEIRO 

publicado por historiadesalvaterra às 19:02
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Novembro de 2009

O ARANHOL DO JOSÉ RATO !

 

O terramoto de 1909, deu origem que Salvaterra de Magos, viesse a crescer para terrenos que o povo dizia ser “terras de baldio”, lá mais para sul da vila.  Naqueles sítios, abundava uma pequena floresta de eucaliptos, que desembocava junto à horta do sopas, construída para dar de comer à população por ocasião do sismo.
 
Por volta de 1920, por lá já existia um edifício hospitalar (1913) e uma praça de toiros. O Calvário, como era conhecido tinha cerca de 900 mts. (atravessava a vila de norte a sul), de terra batida pelos rodados dos carros puxados a animais, era bastante larga, ia servindo de arruamento às novas construções que iam aparecendo.   Numa réstia de eucaliptos que por ali ainda existia, podia ver-se o pelourinho ( uma cruz e base de pedra), que vinha do tempo dos reis, fora retirado para limpeza daqueles terrenos.   A cruz, foi colocada no cemitério local.
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Nos últimos anos do séc. XIX, tinha sido construída naqueles terrenos, uma grande adega, que tinha agora de frente o muro do hospital, era seu proprietário o lavrador Francisco Ferreira Lino.   Não desmerecia de uma outra, que a casa Roquette, possuía.
 A família Freire, também tinha naquelas bandas, grandes espaços, eram os currais de gado (1).   Por volta de 1945, aquela estrada deu lugar a uma avenida, moderna para a época, que recebeu o nome de Vicente Lucas de Aguiar, antigo presidente da câmara municipal (2).
 
 
 
 
Num dos cruzamentos daquela avenida, na rua Dr. Gregório Fernandes, o Dr. José Henriques Lino, em 1948, agora proprietário da casa agrícola que fora de seu pai, transformou um grande armazém, em taberna.    Era uma inovação entre os agricultores/viti-vinicultores, para escoarem o vinho; vendido a copo e ao garrafão. Naquela travessa de ruas, as mulheres rurais encontraram sitio para a sua “praça da jorna”, local onde esperavam por trabalho, desde a tarde de domingo e muitas vezes segunda-feira de manhã.
 Levavam os filhos (rapazes e raparigas) de pouca idade, que por ali se entretinham a brincar.   Minha mãe, tal como as outras mulheres, muitas vezes iam ao “Armazém do Dr. Lino”, comprar pevides ou tremoços para os meninos. 
 
  Cada medida, um pequeno copo de vidro, custava 2 tostões.   O José Rato, velho adegueiro velho daquela casa agricola, pessoa muito estimada entre os seus pares, transportava os barris de vinho e aguardente, num esquisito carro construído em ferro, que chamavam “Aranhol”.     Nós o rapazio, lá nos dependurávamos nele, com a conivência do condutor, até porque o percurso era curto.
 
**********
(1) - Os dois currais (um de cada lado da rua), tinham nascente de àgua * Numa dessas nascentes, existia uma bomba de àgua, com roda de ferro, onde a população se abastecia (fui lá muita vez com minha mãe buscar um pote de àgua), no outro lado, existia a mãe-de-água, que abastecia o Fontanário existente junto à câmara * Mais tarde, estes espaços deram lugar as grandes construções de habitação, onde no piso do chão foram instalados instituições bancárias.
(2) - A pedra tumular, em 1964, ainda se encontrava no antigo cemitério da capela real * A avenida, por volta de 1980, passou a ser conhecida: Dr. Roberto Ferreira da Fonseca, outro antigo autarca.
 
Nota:  Na Adega, durante muitos anos foi ali que se realizavam os leilões, dos produtos oferecidos pelos lavradores e gente anónima do concelho, à Misericórdia de Salvaterra * No dobrar do dobrar do séc.XX, ainda existiam cortejos de oferendas, que nornalmente era no Dia S. Martinho, fim da faina agricola anual.
 
JOSÉ GAMEIRO
 
 
 
publicado por historiadesalvaterra às 18:59
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds