Domingo, 29 de Março de 2009

O FONTANÁRIO NO LARGO DE S.SEBASTIÃO

Eles, vão querer voltar - não nos esqueçamos deles!....

O regime instituído após o 28 de Maio de 1926, fixou que os vereadores eram convidados pelo presidente da câmara, sendo este escolhido e convidado pelo governador civil do distrito, ficando assim constituído o executivo camarário.
Pessoas respeitadas nas freguesias, disponibilizavam-se a exercer aquele cargo a título gratuito. As obras necessárias, actividades culturais e desportivas, eram negociadas num sistema colegial, onde obter os maiores e melhores benefícios para as suas terras, dava origem “dar para receber”, sem que houvesse necessidade de intromissão nas pretensões de cada comunidade.


Tal inibição, preservava influências menos gratas às várias populações do concelho, até porque elas são possuidoras de uma raiz cultural própria. Além das opiniões técnicas da engenharia da época, os vereadores tinham a humildade de construir com o apoio do povo, ouvindo-o nas suas necessidades.


Veja-mos um exemplo;
Nos anos de 1933/35, Armindo Biscaía de Jesus (freguesia de Muge), Joaquim Pereira Marques (Marinhais), Alfredo Rodrigues da Piedade e Henrique Martins (Salvaterra de Magos), pertenciam ao executivo chefiado por Luiz Ferreira Roquette. Numa reunião da Câmara Municipal, os vereadores de Salvaterra, ao pretenderem a construção de dois fontanários, na sede do concelho, tiveram de ceder contrapartidas às outras freguesias. A negociação levou também à construção de uma fonte igual às de Salvaterra, na vila de Muge e, Marinhais foi contemplada com um furo artesiano. No lugar dos Foros de Salvaterra, foi construído um poço de água, em cimento, erguido no largo do Estanqueiro, local onde se fazia a praça do trabalho.
Foi ainda decidido que a vila de Muge, fosse dotada de algumas ruas com calçada.
As fontes em Salvaterra, começaram nesse ano e, foram construídas; no largo da Casa do Povo e largo São Sebastião, sendo seu artifice, o mestre pedreiro; Silvestre Palma, ajudado pelos seus filhos, estando entre os serventes, o neto Luis Palma, na altura com 13 anos de idade.
Daquelas obras, O Fontanário junto à Casa do Povo, desapareceu por volta de 1955, no seu espaço, foi construída uma urbanização de prédios. – “ os chamados prédios novos”.
Com o abastecimento público domiciliário em Salvaterra, em 1951, foi conservada a do Largo de S. Sebastião, seria para conservar um património, alusivo a uma época e, registar a obra dos homens que os tinham antecedido – memorizar um passado.
O tempo passou!
A democracia instituída, após o 25 de Abril de 1974, trouxe uma nova constituição a Portugal, e deu lugar a eleições autárquicas em 1976. Os autarcas, têm agora outras competências e outros atributos. No Verão de 1999, o Fontanário, que é considerado património local, pela população de Salvaterra, pela sua singular construção, foi alvo de grave atentado, foi pintado de branco e amarelo. A responsabilidade coube à Divisão de Obras Municipais e Serviços Urbanísticos (DOMSU), chefiada pelo vereador, João Abrantes, oriundo da freguesia de Marinhais.
As construções em todo o concelho, especialmente conservadas como património monumental, puderam estar sujeitas ao critério do discernir de uma só pessoa !? Dá para pensar!...

Numa Assembleia Municipal, entre a assistência, pedi a palavra e fiz reparo do grave atentado àquele patrimônio - A resposta, veio rápida, da Presidente da Câmara. Olhe, sr. Gameiro, não acha que assim ficou mais bonito!....

Que responsabilidades se podem exigir, para além do julgamento político ao fim de quatro anos de mandato. .Haverá outro!? Aqui fica o reparo para que conste!
Nota: A FANTASIA DAS LENDAS:
À Fonte do Arneiro; Informações da autarquia, dão o nome: Fonte da Moura Encantada e, ao Fontanário do antigo Largo de S. Sebastião (1), é-lhe atribuído “Fonte dos Namorados” – Veja-se o B.M. Nº 3 do ano 1999 e, o actual blogue da Junta da Freguesia local.
******
(1) – o antigo Largo de S. Sebastião, ficou limpo de entulho de um antigo Hospital, após o tarramoto de 1909 * Nele foi construído o Fontanário e um edifício escolar, ali passam as Av. José Luís Brito Seabra, António Ferreira Roquette e Dr. Roberto Ferreira Fonseca
* Na foto: Luís Palma, antigo mestre-pedreiro, junto da fonte que ajudou a construir. Texto Extraído do Livro Nº 6 Fonte e Fontanários (Colecção: Recordar, Também é Reconstruir) - do Autor

JOSE GAMEIRO
publicado por historiadesalvaterra às 19:48
link do post | comentar | favorito
|

DR. GREGÓRIO FERNANDES - HONRA AO MÉRITO!

 

O Dr. Gregório Fernandes nasceu em Salvaterra de Magos, no dia 4 de Janeiro de 1849, na casa onde se encontra uma lápida que, os salvaterrianos em preito de homenagem, ali mandaram colocar em 1913, para além de atribuirem o seu nome a uma rua.
Outras homenagens lhe foram feitas ao longo dos tempos, recordando este vulto da ciência que honrou Portugal.  Em 1971, fruto de algumas canseiras, do então vereador da câmara de Salvaterra de Magos, José Teodoro Amaro, culminaram com o seu nome, dado á Escola Secundária, inaugurada naquele ano.
 
O Dr. Gregório Fernandes, muito jovem foi para Lisboa, onde fez os primeiros estudos no colégio de Santo Agostinho. Seguidamente no Porto fez os preparatórios na Academia Politécnica, voltando a Lisboa, para Escola Médica, onde concluiu o seu curso com grande brilho e distinção, defendendo tese no ano de 1873, tendo então 24 anos de idade.
 
Estudioso e inteligente, andou sempre na vanguarda da ciência médica praticada na época, publicou vários trabalhos, entre os quais, “A Patogenia da Febre Traumática, Glaucoma e Recessão do Joelho”. 
 
Este último trabalho relatando uma intervenção altamente apreciada, pois foi ele o primeiro cirurgião a realizar em Portugal.
 
Mas o seu maior êxito foi alcançado em 1892, com uma extracção “Útero-o variana“ que, nunca até aquela data se tinha feito.   Operação, que lhe mereceu os maiores louvores, tanto dos seus colegas portugueses, como do resto da ciência médica mundial, como então ficou escrita.
 
Semelhantes operações, feitas em Viana (Áustria), Paris e Londres, não lograram tão bons resultados. Este ilustre salvaterrense foi incontestavelmente um grande sábio e figura iluminada da cirurgia portuguesa, desempenhou o cargo de cirurgião extraordinário do hospital de S. José e, foi director da enfermaria de S. Francisco que, tem hoje o seu nome. Acumulou o cargo de delegado de Saúde de Lisboa e, o de presidente da Sociedade das Ciências Médicas. O Sanatório de Santa Ana (Parede/Oeiras), para 60 crianças afectadas pela tuberculose óssea, foi construído sob sua orientação.
 
Naquele edifício também foi construído um espaço para albergar 20 idosos. afectados por doenças cardiovasculares, bem como, igual número de camas para cancerosos.
A construção deste hospital sob a sua orientação, foi de harmonia com as prescrições testamenteiras da grande benemérita, a sua doente D. Amélia Biester.
No decorrer da construção recebeu grandes dissabores, mas acabou por ver realizada a obra consoante a vontade daquela ilustre senhora. Dotado de grande probidade de carácter moral, aliada a uma bondade sem limites, o Dr. Gregório Fernandes, a todos os a que a ele recorriam, sem distinção de classes, tratava com a maior solicitude, sem nunca olhar a retribuição.
 
Todos os seus conterrâneos, os pobres em especial, encontravam nele, sempre um amigo solícito e generoso. Todas as quintas-feiras, quando das folgas dos seus afazeres profissionais em Lisboa, vinha até Salvaterra, consultava-os graciosamente. 
Muitos dos mais ilustres médicos da sua geração, como Sousa Martins, Boaventura Martins Pereira, Serrano, Bombarda e outros, lhe pediam conselho para os casos mais graves dos seus doentes. Este homem, modesto, sabedor e bom, faleceu aos 57 anos de idade, no dia 24 de Junho de 1906 na sua casa de Lisboa após, uma intervenção cirúrgica.
 

Gregório Fernandes, cidadão que, tão devotada e estoicamente serviu a sua pátria, é ainda o mais claro espelho de virtudes e, poderá apresentar-se aos nossos jovens estudantes, como modelo de sabedoria e trabalho. A ingratidão dos homens, especialmente daqueles aquém poderá ser um exemplo, na área dos estudos científicos, nos momentos em que têm o poder de decidir, retirassem o seu nome do edifício escolar que, um dia foi um emblema da determinação das gentes de Salvaterra de Magos.

 

 Nota: Extraído do Livro Nº 8 Honra ao Mérito! - Colecção "Recordar, Tambèm é Reconstruir" do Autor

 

 

JOSÉ GAMEIRO

                                    

 

                                   
publicado por historiadesalvaterra às 18:23
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Março de 2009

O ÚLTIMO FRADE DE SALVATERRA !

 Num dia de 1990, a meu pedido, o presidente da câmara municipal de Benavente oferceu-me a edição " O Convento de Jericó" (1).    O Autor, deixou uma gama de escritos, onde abundam estudos sobre a vizinha vila de Benavente e, era seu desejo antes da sua morte, fazer uma história que reuni-se Salvaterra de Magos, grandes eram as afinidades históricas e culturais das duas povoações. 

 

Em 1958, já lia os seus textos no extinto "Aurora do Ribatejo", pois era colaborador daquele semanário.  Tal como fiz com Joaquim Correia, sobre a Falcoaria,  também foi aprazado um encontro e estivemos nas ruínas do Convento de Jericó, onde fui apenas um curioso das suas pesquizas.

Em 1986, coube à câmara de Benavente, reunir todo o seu espólio sobre  o Convento de Jericó e, publicá-lo.   É um livro que convida o leitor mais desprevenido a folheá-lo de uma acentada tal é a quantidade de assuntos sobre a história daquele convento, erguido sob o patrocínio dos Frades Arrábidos, primeiramente em terras baixas, mas um segundo e último, na extrema com o concelho de Benavente, em sítio onde as cheias não chegavam.

                                                                                                               

Tem uma escrita de fácil entendimento,  de grande descrição narrativa a par de desenhos  que fez, a traço de lápis, que encantam.

 

 O conteúdo da edição leva-nos ao periodo de 1542 - 1834, época da construção e da vida  monástica do Infante D. Luiz,  a par de muitos registos, entre os quais a identificação dos frades que ali habitaram.  Nas poucas pedras tumulares, arrumadas a um canto, do que resta da capela, onde se venera S.Baco, ainda se pode ler os nomes de alguns frades que acharam por bem serem enterrados, no então cemitério daquele templo.

 

Uma curiosidade, sempre tive quanto alguns frades naturais de Salvaterra que viveram naquele templo religioso. Um deles "José de Souza" é descrito no livro a página 71, o seguinte:

 

"Pelo processo de inquirição não conseguimos saber o nome deste frade, averiguámos apenas  que professou a 2 de Outubro de 1821. Mas julgamos  conhecer o seu registo de óbito". 

  " Aos 31 dias do mês de Janeiro de 1878,às dez horas da manhã,numa casa sita na rua do Pinheiro, desta freguesia de S.Paulo da vila e concelho de Salvaterra de Magos, faleceu José Soriano de Souza,eclesiástico, presbytero, de idade de 78 anos, egresso da extinta província de Santa Maria da Arrábida, natural desta freguesia, onde era morador; filho de legitimo de Joaquim de Souza, lavrador; e de Dona Luiza Xavier de profissão doméstica, naturaes desta freguesia: o qual não fez testamento e foi seputado no cemitério público, desta vila"

 

" Por este registo somos levados a concluir que na Ordem teve o nome de Fr. José Soriano. Depois da extinção dos Conventos foi capelão da Misericórdia de Salvaterra. Com a morte de religioso deve ter desaparecido o último frade que foi do Convento de Jenicó".

 

Não satisfeito com a informação ali contida, levou-me ao registo civil da freguesia de Salvaterra de Magos, e solicitei uma certidão de nascimento e uma outra de óbito, só me foi facultada a última, através do registo nº 2045 de 20 de Abril de 1993, de que tenho o original e, paguei para a época 400$00.

 

A narrativa, do óbito é igual à que está transcrito acima e, da qual mostro em foto.

 

**********

(1) - Presidente da Câmara de Benavente - José António Ganhão * Autor do livro: Alfredo Betâmio de Almeida         

 

 

 

JOSÉ GAMEIRO               

publicado por historiadesalvaterra às 21:12
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Março de 2009

SER AUTARCA “ servir a coisa pública”


 Nos últimos séculos,  ser autarca e estar à frente de um município, era coisa para personalidades bem conotadas com o poder instituído, para além do seu estado socio-económico ser bem visível perante a população.

Eram escolhidas, entre um restrito leque de pessoas de boas famílias da terra; lavradores e licenciados, portanto pessoas com uma cultura elevada para a época, o que levava-os muitas vezes a repetir o mandato e, às vezes os que os sucediam tinham um grau de parentesco muito próximo.

Fazendo uma recolha sobre esta causa pública, encontrei, desde o séc. XIX,  até ao advento da democracia, após o longo periodo da ditadura salazarista, casos desses no meu concelho.  O tempo passou, no meu caso, um dia dei comigo a ser autarca, tinha aceite estar ao serviço do meu concelho, na Assembleia Municipal do concelho de  Salvaterra de Magos, eram as primeiras eleições livres no ano de 1976.

Integrado na lista partidária, do Partido Socialista – PS, fui eleito pelo povo e, assumi o compromisso de servir, nos melhores princípios dos ditames republicanos.

Naquele tempo, o concelho estava muito carente de infra-estruturas básicas, que servissem a sua população. As sessões municipais, tiveram lugar inicialmente no salão da Casa do Povo de Salvaterra de Magos e, decorriam dias e horas a fio, pois o concelho bem precisava de grandes decisões para o seu desenvolvimento socio-económico e cultural

A presença dos autarcas neste órgão deliberativo e fiscalizador, não era remunerado, bem como o do executivo, mesmo assim, todos sob pontos divergentes programáticos e partidários, tinham em comum dar o seu melhor, pois o desenvolvimento do concelho, estava em situação prioritária.

Os ditamos republicanos, fixados em 1910, exigiam que o povo, mais claramente os seus melhores filhos, fossem os dirigentes com a inteligência e dedicação para a resolução dos seus problemas da comunidade municipal.

Assim, ser autarca era desempenhar uma função – era servir a coisa pública, embaído dos melhores valores cívicos, sem olhar a causas remuneratórias, que o beneficiassem pessoalmente, pois a humildade era um detalhe pessoal, para estar à frente de tão honroso cargo, ouvindo e servindo o povo.

Foram cerca de 20 anos que, estive disponível, ao serviço da minha comunidade, quer na Assembleia Municipal, quer na presidência da Assembleia de Freguesa de Salvaterra de Magos.

 

 

JOSÉ GAMEIRO
 

publicado por historiadesalvaterra às 17:10
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Março de 2009

O TERRAMOTO FOI HÁ UM SÉCULO !

           OS DIAS QUE SE SEGUIRAM AO TERRAMOTO DE 23 DE ABRIL DE 1909

 

Decorria o ano de 1909, o país ainda se encontrava de luto chorando a morte da família real, vítima do regícidio, ocorrido em Lisboa, na Praça do Comércio, quando regressava de Vila Viçosa, em viagem de comboio.

 

D. Manuel, que viria a ser chamado de II, filho do rei D.Carlos e D.Carlota, tinha subido ao trono havia pouco tempo quando Portugal foi alertado para uma nova infausta notícia.

No dia 23  de Abril de 1909, eram 5 horas da tarde a terra tremeu no coração do Ribatejo.  As vilas de Samora Correia, Benavente e Salvaterra de Magos, acabavam  de sofrer uma catástrofe - Um terramoto.

 

Em Salvaterra de Magos, àquela hora a maioria da população encontrava-se fora das suas casas, nos trabalhos rurais, daí o cataclismo produzir apenas duas mortes e muitos feridos. As casas da vila e até do concelho, ficaram muito danificadas, segundo o relato dos autarcas que, de imediato reuniram para apuramento dos primeiros danos, segundo consta das actas camarárias que registam que os tremores de terra continuaram nos dias seguintes, mas com menor intensidade.  Nos dias imediatos, toda uma onde de solidariedade chegou à população de Salvaterra, o mesmo acontecendo com Benavente e Samora.

 

 

 

 

 

 

 A autarquia de Salvaterra, desde logo não parou  de receber quer telegramas de apoio, quer ofertas  da mais variada ordem.     A Cruz Vermelha Portuguesa, instalou "barracas" em vários locais da vila, sendo o núcleo mais significativo no Largo do Mártir S.Sebastão ( local onde mais tarde foram construídas uma fonte e uma escola primária) e, onde passa a Av. José Luiz Brito Seabra.

 

Toda a população desalojada, nesse mesmo dia, já noite dentro, recebeu o apoio do governo, que fez deslocar para o local, uma Guarnição  de Soldados do Regimento  de Sapadores.   À disposição da câmara municipal, foi colocado um contingente  de Cavalaria e Infantaria, afim de ser mantida a ordem.

 Através do Ministro das Obras Públicas, foi considerado fazer o estudo no local, para a reconstrução das habitações que oferecessem garantias de recuperação e, a demolição total das outras, mesmo pouco danificadas.

 

 No dia 30 de Abril, em virtude do edificio da câmara municipal não oeferecer segurança, a reunião dos autarcas, foi efectuada num celeiro no Largo do Palácio (largo que viria a ser de 5 de Outubro e dos Combatentes).  

Nessa reunião, estiveram presentes  por convocatória, grande número de cavalheiros, pessoas respeitadas no concelho, afim de darem a sua opinião sobre a catástrofe.

 

Entre os convocados, encontrava-se o benemérito Gaspar da Costa Ramalho, que foi ouvido com muita atenção, e as suas propostas foram aceites.   Da sua iniciativa foi constituída uma Comissão local, onde integrava além dele, o Conde de Mangualde, Luiz Ferreira Roqurette, Porfirio Neves da Silva e Vergílio Roquette Costa, que se responsabilizaram por contactar os jornais  e instituições  para a angariação de fundos.

 

Outras resoluções foram tomadas, foi resolvido mandar fazer 18 lanternas, para serem usadas nas zonas da instalação das "barracas" e "tendas", cada uma custou 1.150 réis, verba que foi paga pelo benemérito Gaspar Ramalho.

 

Em 17 de Junho, contavam-se já instaladas 180 "barracas" das 325 que foram consideradas necessárias.   Fazendo face à desgraça que se abateu sobre as 3 povoações vizinhas, logo  o governo disponabilizou alguns fundos, cabendo a Salvaterra, a verba de  de "CEM CONTOS DE RÉIS", para as primeiras  necessidades.

 

 Nos dias seguintes e nas reuniões que iam decorrendo, a câmara e o administrador do concelho; Luiz Filipe Valente, analizaram propostas de ofertas de créditos, muitas delas vindas do estrangeiro,  postos à disposição da população salvaterriana.

 

 

 

 

 A 19 de Agosto, foi aceite  uma proposta do Oficial que comandava a guarnição que mantinha a lei e a ordem na vila, que a sineta instalada no edificio da câmara, passa-se  a dar as horas, em virtude do relógio  da torre da Igreja ainda se encontrar avariado.

 

Assim, o soldado de piquete às instalações municipais, puxava de uma corda, tantas vezes quantos sons horários fossem necessários para completar as horas do dia, prescendido-se de dar as  meias horas.

 

No dia 11 de Novembro, foi autorizado que o entulho da limpeza da Trav. do Martins, fosse colocado nos baldios do antigo moínho de arroz, no valado da vala real.    O jornal "O Século" que nas suas páginas tinha aberto uma subscrição pública de donativos, conseguiu que o país se solidariza-se  com o sofrimento a que estavam passando as 3 populações vizinhas,   dando as verbas reunidas origem à construção de escolas.

 

Em Salvaterra, a autarquia disponabilizou um terreno que pôs à disposição da Comissão encabeçada por Gaspar Ramalho e lhe entregou o valor de "Cento e sete mil trezentos  e noventa e cinco réis", verba que coube à vila.

 

Em 25 de Dezembro, dia de Natal, houve reunião e foi deliberado mandar reparar o telhado da câmara municipal, bem como enviar para Londres, um telegrama a felicitar , El-Rei D. Manuel II, pela passagem do seu aniversário.

 

Numa outra reunião da câmara, estiveram presentes os Drs. Augusto de Castro e Annachoreta e Prof. Ginestal Machado, de Santarém que, representando uma comissão daquela cidade vinham trazer o apoio do scalabitanos às vítimas do sísmo.

 

No início de 1910, D. Manuel veio a Salvaterra, visitar a população e dar-lhes o seu apoio moral, visto que o material, se encarregou o governo.  Uma multidão aguardava a chegada do bergantim real, ao cais da vala e, quando desembarcou, uma multidão que o esparava, deu vivas ao rei ..!

 

O desfile foi feito a pé, a caminho da rua do Calvário, entre alas das entidades oficiais, com o povo atrás, estando muitas mulheres e crianças no botaréu, da  rua do Forno de Vidro, aplaudindo o monarca que retribuía com acenos de mão.

 

Depois de visitar alguns locais onde ainda existiam algumas "barracas e "tendas", houve uma sessão de boas vindas nos paços concelho, sendo-lhe dado conta da situação e como se estava a resolvê-la.    Depois  de algum descanço na intimidade dos seus mais próximos colaboradores, voltou a Lisboa, pela mesma via, aproveitando a maré cheia.

 

Nos meses seguintes, a recuperação das casas foi decorrendo e, outras  ergueram-se em novas ruas abertas, nos terrenos de currais e celeiros, atrás das ruínas do que foi o paço real de Salvaterra de Magos, até aos grandes barracões das antigas cavalariças.

 

Naqueles terrenos, foi também aberto um grande hortado para alimentar o povo ( mais tarde murado em volta, e conhecido pela horta do Sopas).   Em 7 Outubro, com a implantação do regime republicano em Portugal, é nomeada uma Comissão Administrativa, no concelho constituída por: António Jorge de Carvalho (presidente), José de Vasconcelos, João Ferreira Vasco, Carlos de Novais Rodrigues, Vital Justino (de Muge) e João Pereira Rodrigues (de Marinhais).      Para Administrador Interno do concelho, foi nomeado António Marcos da Silva.

 

Na sua primeira reunião sob o novo regime, os autarcas republicanos, deliberaram  aprovar

os requerimentos de "Aforamento", a Luiz Ferreira Roquette, proprietário do "Curral do Concelho" e a António Marcos da Silva, dono de um terreno no "Largo do Cafarro", ambos no terreno de areia em frente ao antigo palácio da falcoaria, onde passava a av. José Luiz Brito Seabra.

 

Ainda foi aprovado mudar os nomes a algumas ruas da vila; A rua Santo António, passou a Rua Alm. Cândido dos Reis, a a Rua do Pinheiro, para Dr. Miguel Bombarda, a Praça Dr. Oliveira Feijão, para Largo da República, o Largo do Palácio para 5 de Outubro (mais tarde dos Combatentes) e a Rua Porfirio Neves da Silva, para Teófilo Braga, nome que nunca vingou.

 

A 27 de Outubro de 1910, cerca de 18 meses após o terramoto, começaram os trabalhos de remoção das "barracas" e das "tendas" da CVP, por já não serem necessárias, no Largo 5 de Outubro, Praça da República, Rua do Calvário (Av. Dr. Roberto Ferreira da Fonseca), Rua do Jogo da bola, Canto da Ferrugenta e Largo de S. Sebastião, ficando apenas algumas nas areias do pinhal, atrás do novo cemitério da freguesia.

A grande mancha de pinhal junto à vila, era novo e escasso aqui e ali, indo para  sul, passava junto ao "Chaparral do Barão", pelos Foros de Salvaterra a caminho de Coruche.

 

Tendo sido encontrada roupa nos armazéns da câmara, fruto das ofertas, foi deliberado destribuí-la pela população.   Por último, foi tomado conhecimento que, a República do Uruguai, oferecia  "duzentas libras" para a construção de uma escola em solidariedade com as povoações que sofreram  as terríveis consequências  do terramoto.

 

********

Nota: Texto extraído do artigo publicado no JVT, em 27 de Abril de 1995, do autor, e composto segundo os textos das actas a que teve acesso * Fotos:  (1) Um grupo de familias desalojadas no Largo do Palácio (2) - Rapazes na sala de aulas, na escola no dia da sua inauguração - 1913

 

JOSÉ GAMEIRO

 

 

 

publicado por historiadesalvaterra às 17:04
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Março de 2009

AS ANDORINHAS JÁ NÃO CRIAM NOS BEIRADOS DA CÃMARA!

O edifício é do séc.XIX, tem a encimar a sua frontaria o brasão da rainha D. Maria II.

 

Segundo algumas fontes, a construção sendo pertença particular da monarca, foi doada à população de Salvaterra de Magos, porque a primitiva casa municipal, deixou de ter condições de uso, com o sismo de 1858.   As andorinhas, sempre aproveitaram os seus beirados, e ali pela primavera iniciavam um novo ciclo de vida - a  reprodução da espécie ( três por ano ).  Os autarcas municipais, ao longo dos tempos, preservaram aquela riqueza da natureza.

 Se recuarmos aos anos 50 século passado, mesmo com os grandes festejos das inaugurações do abastecimento da água e da electricidade à vila, onde o edificio foi engalanado durante vários dias, nunca os ninhos daquelas aves sofreram qualquer dano.

 

Éra hábito antigo todos os edificios municipais de Salvaterra, como as  escolas, serem caiados, durante os meses de Agosto e Setembro e, duas mulheres se encarregavam disso.  Por vezes, uma delas era a minha mãe.

 

Os paços do concelho, era guardado para  o último mês, onde as obras de conservação e caiação das paredes exteriores tinham lugar, depois do inicio da emigração invernal, das aves que ali tinham os seus ninhos, sendo conservados, para o ano seguinte.

 

O séc. XXI, foi trazendo novos tempos, com eles outras decisões...!

Agora tudo mudou, quando no ano de 2007, as andorinhas estavam em plena época de criação (Maio), os ninhos foram destruídos, alguém me chamou a atenção do sucedido e, daquele nefasto atentado à natureza obtive algumas fotos.

 

Dias depois, aproveitei a realização de uma Assembleia Municipal, e como cidadão amante da ornitologia, para não dizer: uma obrigação de qualquer um, em conservar a natureza e o seu meio ambiente, estive presente e denunciei o facto.

Da presidente da câmara municipal,  Cristina Ribeiro, obtive a resposta, lacónica e mordaz.

 

  "Não me diga...! Vou todos os dias para a câmara e ainda não tinha dado por isso...!"

 

Dos deputados municipais, apenas se viram alguns sorrisos mortecidos, pois a conivência era patente, até porque ninguèm se interessou pelo problema.  

 

No ano passado, o mesmo aconteceu,  as andorinhas voltaram a ser impedidas de criar, naquele edifício público.  Estamos em Março de 2009, novo ciclo de vida  das andorinhas, se aproxima, elas regressaram no passado dia 13 de Fevereiro, dia em que vi as primeiras a     chegarem ao beirado da minha casa, nesta vila de Salvaterra de Magos.

Os ninhos no edificio camarário,  continuam por serem reconstruídos e, das andorinhas, naquele espaço aéreo, nem vista em cima, quando noutros beirados, já o trabalho está feito, passados 15 dias.

 

JOSÉ GAMEIRO

 

 

 

publicado por historiadesalvaterra às 18:37
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds