Quinta-feira, 5 de Maio de 2011

CRISES, SEMPRE EXISTIRAM!....

A população do país, anda alarmada com o coração nas mãos. As estatísticas dizem, em Portugal há mais de 600.000 desempregados. Muitas famílias, encontram-se desesperadas, raro é aquela que, não tem pelo menos um membro na situação de desemprego. As gerações mais novas, aquelas que nasceram depois da madrugada de Abril de 74, menos precavidas, para estas situações de dificuldades, vêm esta situação com um ar incrédulo. Algumas estão confusas, com tanta conversa sobre o assunto. Outras, decerto o assunto não é com elas. No entanto todos sabem que algo se está a passar, e que lhes vai “ofuscar” o futuro, que sempre pensaram encontrarem cheio de luz. Hoje mesmo, foi anunciado ao país, em duas conferências – uma do governo demissionário e, uma outra da Troika, que durante três semanas estudou os nossos problemas, a forma e o método em que nos emprestavam os fundos para sairmos da crise em que vivemos, depois da situação económica e financeira conhecida de todos e da sua origem.

 

 

 

 

 

 As crises em Portugal, não são novas, nos tempos modernos. Quem nasceu, após a II guerra mundial, como eu, sabe bem o que é passar fome e viver desgraçadamente. Outras gerações, as mais antigas, ainda nos vão dizendo de como é comer o “pão que o diabo amassou”, quando foi no tempo do primeiro conflito mundial, 1914 – 1918. Eu, por mim lembro-me. Estávamos em 1948, a guerra já tinha acabado há uns anos, no entanto havia quem comesse alguma coisa, através do “Plano Marshall”, uma ajuda americana, aos países da Europa. Era o tempo, em que uma sardinha salgada ( o peixe fresco do mar era raro), era dividida para três. Nunca passei fome, em abono da verdade o digo, mas lá que comia

  uma fatia “parideira”(1), muitas vezes com café adossado com um rabuçado de açucar amarelo, decerto aconteceu.  Muitas familias, nos dias da matança dos animais (porcos, carneiros, vacas), no  matadouro municipal, logo pela manhã ali depositavam um pequeno recipiente de aluminio, com vinagre e sal, para lhes ser atribuído uma porção de sangue, que depois coziam, sendo comido em pequenas fatias ( parecia um pedaço de chocolate, dos tempos actuais). Descalço, também andei, especialmente quando brincava, pois à noite havia vistoria à roupa e calçado. Com os meus 4/5 anos de idade, era colocado na fila, às 6 horas da manhã, para ganhar vez do abastecimento da comida familiar, através do racionamento. Os trabalhadores do campo, esses, ao caminharem para os trabalhos a pé ( ao nascer do sol, “ferravam” a trabalhar e ao por do sol “desferravam”), com outras tantas horas de andar, até chegar a casa e ainda fazer a ceia. Pelo caminho, nos valados, “ripavam” algumas ervas “Cagarinhas”, para cozer substituindo as couves. Quantas vezes, percorri a pé, com as outras crianças, tais percursos.

 

 

 Não havia creches, existiam algumas amas, mas só estavam ao alcance dos bolsos dos operários, que tinham mensalidade certa, nas casas agrícolas. Já depois de dobrar o século, o nível de vida mostrava algumas esperanças de melhoramento. Entretanto veio o início das três frentes de guerra, nas chamadas Províncias Ultramarinas (Angola, Moçambique e Guiné). Para ali, foi mobilizada toda a juventude de Portugal. A fuga para os países europeus, na esperança de melhores dias alcançar, levou o melhor que havia de mão-de-obra. Entretanto, as novas gerações eram atraídas, para o consumismo, o dinheiro fácil, trouxe novas formas de viver – compra de casa, carro e férias anuais. Os vícios, entraram no seu modo de vida. A poupança, era coisa dos seus pais e avós. A crise do petróleo, com valores muito altos, nas importações, marcou o início da década de 70 e, logo a seguir as convulsões do PREC, cuja instabilidade muito marcou o país, depois da esperança com o 25 de Abril de 1974. Em 1983 a crise económica e financeira, que obrigou os nossos governantes, a solicitarem a ajuda do FMI. Tudo já passou, ninguém morreu por causa disso, mas muita miséria era desnecessária, se nós povo português, soubéssemos aprender com os nossos erros. Agora, tenhamos esperança em melhores dias!... (1) – Fatias de pão seco, frito enrolado em ovo.  Nota:  Senha de Racionamento, distribuída pela Junta de Freguesia de Salvaterra de Magos * Na foto o autor é o terceiro do grupo (1955)

JOSÉ GAMEIRO

publicado por historiadesalvaterra às 18:05
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds