Domingo, 29 de Março de 2009

O FONTANÁRIO NO LARGO DE S.SEBASTIÃO

Eles, vão querer voltar - não nos esqueçamos deles!....

O regime instituído após o 28 de Maio de 1926, fixou que os vereadores eram convidados pelo presidente da câmara, sendo este escolhido e convidado pelo governador civil do distrito, ficando assim constituído o executivo camarário.
Pessoas respeitadas nas freguesias, disponibilizavam-se a exercer aquele cargo a título gratuito. As obras necessárias, actividades culturais e desportivas, eram negociadas num sistema colegial, onde obter os maiores e melhores benefícios para as suas terras, dava origem “dar para receber”, sem que houvesse necessidade de intromissão nas pretensões de cada comunidade.


Tal inibição, preservava influências menos gratas às várias populações do concelho, até porque elas são possuidoras de uma raiz cultural própria. Além das opiniões técnicas da engenharia da época, os vereadores tinham a humildade de construir com o apoio do povo, ouvindo-o nas suas necessidades.


Veja-mos um exemplo;
Nos anos de 1933/35, Armindo Biscaía de Jesus (freguesia de Muge), Joaquim Pereira Marques (Marinhais), Alfredo Rodrigues da Piedade e Henrique Martins (Salvaterra de Magos), pertenciam ao executivo chefiado por Luiz Ferreira Roquette. Numa reunião da Câmara Municipal, os vereadores de Salvaterra, ao pretenderem a construção de dois fontanários, na sede do concelho, tiveram de ceder contrapartidas às outras freguesias. A negociação levou também à construção de uma fonte igual às de Salvaterra, na vila de Muge e, Marinhais foi contemplada com um furo artesiano. No lugar dos Foros de Salvaterra, foi construído um poço de água, em cimento, erguido no largo do Estanqueiro, local onde se fazia a praça do trabalho.
Foi ainda decidido que a vila de Muge, fosse dotada de algumas ruas com calçada.
As fontes em Salvaterra, começaram nesse ano e, foram construídas; no largo da Casa do Povo e largo São Sebastião, sendo seu artifice, o mestre pedreiro; Silvestre Palma, ajudado pelos seus filhos, estando entre os serventes, o neto Luis Palma, na altura com 13 anos de idade.
Daquelas obras, O Fontanário junto à Casa do Povo, desapareceu por volta de 1955, no seu espaço, foi construída uma urbanização de prédios. – “ os chamados prédios novos”.
Com o abastecimento público domiciliário em Salvaterra, em 1951, foi conservada a do Largo de S. Sebastião, seria para conservar um património, alusivo a uma época e, registar a obra dos homens que os tinham antecedido – memorizar um passado.
O tempo passou!
A democracia instituída, após o 25 de Abril de 1974, trouxe uma nova constituição a Portugal, e deu lugar a eleições autárquicas em 1976. Os autarcas, têm agora outras competências e outros atributos. No Verão de 1999, o Fontanário, que é considerado património local, pela população de Salvaterra, pela sua singular construção, foi alvo de grave atentado, foi pintado de branco e amarelo. A responsabilidade coube à Divisão de Obras Municipais e Serviços Urbanísticos (DOMSU), chefiada pelo vereador, João Abrantes, oriundo da freguesia de Marinhais.
As construções em todo o concelho, especialmente conservadas como património monumental, puderam estar sujeitas ao critério do discernir de uma só pessoa !? Dá para pensar!...

Numa Assembleia Municipal, entre a assistência, pedi a palavra e fiz reparo do grave atentado àquele patrimônio - A resposta, veio rápida, da Presidente da Câmara. Olhe, sr. Gameiro, não acha que assim ficou mais bonito!....

Que responsabilidades se podem exigir, para além do julgamento político ao fim de quatro anos de mandato. .Haverá outro!? Aqui fica o reparo para que conste!
Nota: A FANTASIA DAS LENDAS:
À Fonte do Arneiro; Informações da autarquia, dão o nome: Fonte da Moura Encantada e, ao Fontanário do antigo Largo de S. Sebastião (1), é-lhe atribuído “Fonte dos Namorados” – Veja-se o B.M. Nº 3 do ano 1999 e, o actual blogue da Junta da Freguesia local.
******
(1) – o antigo Largo de S. Sebastião, ficou limpo de entulho de um antigo Hospital, após o tarramoto de 1909 * Nele foi construído o Fontanário e um edifício escolar, ali passam as Av. José Luís Brito Seabra, António Ferreira Roquette e Dr. Roberto Ferreira Fonseca
* Na foto: Luís Palma, antigo mestre-pedreiro, junto da fonte que ajudou a construir. Texto Extraído do Livro Nº 6 Fonte e Fontanários (Colecção: Recordar, Também é Reconstruir) - do Autor

JOSE GAMEIRO
publicado por historiadesalvaterra às 19:48
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds