Terça-feira, 10 de Março de 2009

SER AUTARCA “ servir a coisa pública”


 Nos últimos séculos,  ser autarca e estar à frente de um município, era coisa para personalidades bem conotadas com o poder instituído, para além do seu estado socio-económico ser bem visível perante a população.

Eram escolhidas, entre um restrito leque de pessoas de boas famílias da terra; lavradores e licenciados, portanto pessoas com uma cultura elevada para a época, o que levava-os muitas vezes a repetir o mandato e, às vezes os que os sucediam tinham um grau de parentesco muito próximo.

Fazendo uma recolha sobre esta causa pública, encontrei, desde o séc. XIX,  até ao advento da democracia, após o longo periodo da ditadura salazarista, casos desses no meu concelho.  O tempo passou, no meu caso, um dia dei comigo a ser autarca, tinha aceite estar ao serviço do meu concelho, na Assembleia Municipal do concelho de  Salvaterra de Magos, eram as primeiras eleições livres no ano de 1976.

Integrado na lista partidária, do Partido Socialista – PS, fui eleito pelo povo e, assumi o compromisso de servir, nos melhores princípios dos ditames republicanos.

Naquele tempo, o concelho estava muito carente de infra-estruturas básicas, que servissem a sua população. As sessões municipais, tiveram lugar inicialmente no salão da Casa do Povo de Salvaterra de Magos e, decorriam dias e horas a fio, pois o concelho bem precisava de grandes decisões para o seu desenvolvimento socio-económico e cultural

A presença dos autarcas neste órgão deliberativo e fiscalizador, não era remunerado, bem como o do executivo, mesmo assim, todos sob pontos divergentes programáticos e partidários, tinham em comum dar o seu melhor, pois o desenvolvimento do concelho, estava em situação prioritária.

Os ditamos republicanos, fixados em 1910, exigiam que o povo, mais claramente os seus melhores filhos, fossem os dirigentes com a inteligência e dedicação para a resolução dos seus problemas da comunidade municipal.

Assim, ser autarca era desempenhar uma função – era servir a coisa pública, embaído dos melhores valores cívicos, sem olhar a causas remuneratórias, que o beneficiassem pessoalmente, pois a humildade era um detalhe pessoal, para estar à frente de tão honroso cargo, ouvindo e servindo o povo.

Foram cerca de 20 anos que, estive disponível, ao serviço da minha comunidade, quer na Assembleia Municipal, quer na presidência da Assembleia de Freguesa de Salvaterra de Magos.

 

 

JOSÉ GAMEIRO
 

publicado por historiadesalvaterra às 17:10
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre o autor

.pesquisar

 

.links

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Abril 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

.tags

. todas as tags

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28


.VISITANTES

blogs SAPO

.subscrever feeds